Tuesday, May 31, 2005

Artigo da semana: Blogs na reconstrução da história norte-americana

A importância dos blogs na reconstrução da história norte-americana. "Art, blogs bare souls of yet another fighting generation" é um artigo/editorial notável publicado no USA Today sobre a forma com os soldados estão a partilhar as suas experiências de guerra na blogosfera, a ultrapassar a censura dos media. Partindo do poema "Leaves of Grass", de Walt Whitman, uma visão de como a arte pode ser mais verdadeira "than the real thing".

Walt Whitman: Leaves Of Grass. A Carol Of Harvest For 1867

"War or Discord on Horseback", 1894, Douanier Rousseau Posted by Hello

A SONG of the good green grass!
A song no more of the city streets;
A song of farms--a song of the soil of fields.

A song with the smell of sun-dried hay, where the nimble pitchers
handle the pitch-fork;
A song tasting of new wheat, and of fresh-husk'd maize.

For the lands, and for these passionate days, and for myself,
Now I awhile return to thee, O soil of Autumn fields,
Reclining on thy breast, giving myself to thee,
Answering the pulses of thy sane and equable heart,
Tuning a verse for thee. 10

O Earth, that hast no voice, confide to me a voice!
O harvest of my lands! O boundless summer growths!
O lavish, brown, parturient earth! O infinite, teeming womb!
A verse to seek, to see, to narrate thee.

Ever upon this stage,
Is acted God's calm, annual drama,
Gorgeous processions, songs of birds,
Sunrise, that fullest feeds and freshens most the soul,
The heaving sea, the waves upon the shore, the musical, strong waves,
The woods, the stalwart trees, the slender, tapering trees, 20
The flowers, the grass, the lilliput, countless armies of the grass,
The heat, the showers, the measureless pasturages,
The scenery of the snows, the winds' free orchestra,
The stretching, light-hung roof of clouds--the clear cerulean, and
the bulging, silvery fringes,
The high dilating stars, the placid, beckoning stars,
The moving flocks and herds, the plains and emerald meadows,
The shows of all the varied lands, and all the growths and products.

Fecund America! To-day,
Thou art all over set in births and joys!
Thou groan'st with riches! thy wealth clothes thee as with a swathing
garment! 30
Thou laughest loud with ache of great possessions!
A myriad-twining life, like interlacing vines, binds all thy vast
As some huge ship, freighted to water's edge, thou ridest into port!
As rain falls from the heaven, and vapors rise from earth, so have
the precious values fallen upon thee, and risen out of thee!
Thou envy of the globe! thou miracle!
Thou, bathed, choked, swimming in plenty!
Thou lucky Mistress of the tranquil barns!
Thou Prairie Dame that sittest in the middle, and lookest out upon
thy world, and lookest East, and lookest West!
Dispensatress, that by a word givest a thousand miles--that giv'st a
million farms, and missest nothing!
Thou All-Acceptress--thou Hospitable--(thou only art hospitable, as
God is hospitable.) 40

When late I sang, sad was my voice;
Sad were the shows around me, with deafening noises of hatred, and
smoke of conflict;
In the midst of the armies, the Heroes, I stood,
Or pass'd with slow step through the wounded and dying.

But now I sing not War,
Nor the measur'd march of soldiers, nor the tents of camps,
Nor the regiments hastily coming up, deploying in line of battle.

No more the dead and wounded;
No more the sad, unnatural shows of War.

Ask'd room those flush'd immortal ranks? the first forth-stepping
armies? 50
Ask room, alas, the ghastly ranks--the armies dread that follow'd.

(Pass--pass, ye proud brigades!
So handsome, dress'd in blue--with your tramping, sinewy legs;
With your shoulders young and strong--with your knapsacks and your
--How elate I stood and watch'd you, where, starting off, you

Pass;--then rattle, drums, again!
Scream, you steamers on the river, out of whistles loud and shrill,
your salutes!
For an army heaves in sight--O another gathering army!
Swarming, trailing on the rear--O you dread, accruing army!
O you regiments so piteous, with your mortal diarrhoea! with your
fever! 60
O my land's maimed darlings! with the plenteous bloody bandage and
the crutch!
Lo! your pallid army follow'd!)

But on these days of brightness,
On the far-stretching beauteous landscape, the roads and lanes, the
high-piled farm-wagons, and the fruits and barns,
Shall the dead intrude?

Ah, the dead to me mar not--they fit well in Nature;
They fit very well in the landscape, under the trees and grass,
And along the edge of the sky, in the horizon's far margin.

Nor do I forget you, departed;
Nor in winter or summer, my lost ones; 70
But most, in the open air, as now, when my soul is rapt and at
peace--like pleasing phantoms,
Your dear memories, rising, glide silently by me.

I saw the day, the return of the Heroes;
(Yet the Heroes never surpass'd, shall never return;
Them, that day, I saw not.)

I saw the interminable Corps--I saw the processions of armies,
I saw them approaching, defiling by, with divisions,
Streaming northward, their work done, camping awhile in clusters of
mighty camps.

No holiday soldiers!--youthful, yet veterans;
Worn, swart, handsome, strong, of the stock of homestead and
Harden'd of many a long campaign and sweaty march, 80
Inured on many a hard-fought, bloody field.

A pause--the armies wait;
A million flush'd, embattled conquerors wait;
The world, too, waits--then, soft as breaking night, and sure as
They melt--they disappear.

Exult, indeed, O lands! victorious lands!
Not there your victory, on those red, shuddering fields;
But here and hence your victory.

Melt, melt away, ye armies! disperse, ye blue-clad soldiers!
Resolve ye back again--give up, for good, your deadly arms; 90
Other the arms, the fields henceforth for you, or South or North, or
East or West,
With saner wars--sweet wars--life-giving wars.

Loud, O my throat, and clear, O soul!
The season of thanks, and the voice of full-yielding;
The chant of joy and power for boundless fertility.

All till'd and untill'd fields expand before me;
I see the true arenas of my race--or first, or last,
Man's innocent and strong arenas.

I see the Heroes at other toils;
I see, well-wielded in their hands, the better weapons. 100

I see where America, Mother of All,
Well-pleased, with full-spanning eye, gazes forth, dwells long,
And counts the varied gathering of the products.

Busy the far, the sunlit panorama;
Prairie, orchard, and yellow grain of the North,
Cotton and rice of the South, and Louisianian cane;
Open, unseeded fallows, rich fields of clover and timothy,
Kine and horses feeding, and droves of sheep and swine,
And many a stately river flowing, and many a jocund brook,
And healthy uplands with their herby-perfumed breezes, 110
And the good green grass--that delicate miracle, the ever-recurring

Toil on, Heroes! harvest the products!
Not alone on those warlike fields, the Mother of All,
With dilated form and lambent eyes, watch'd you.

Toil on, Heroes! toil well! Handle the weapons well!
The Mother of All--yet here, as ever, she watches you.

Well-pleased, America, thou beholdest,
Over the fields of the West, those crawling monsters,
The human-divine inventions, the labor-saving implements:
Beholdest, moving in every direction, imbued as with life, the
revolving hay-rakes, 120
The steam-power reaping-machines, and the horse-power machines,
The engines, thrashers of grain, and cleaners of grain, well
separating the straw--the nimble work of the patent pitch-fork;
Beholdest the newer saw-mill, the southern cotton-gin, and the rice-

Beneath thy look, O Maternal,
With these, and else, and with their own strong hands, the Heroes

All gather, and all harvest;
(Yet but for thee, O Powerful! not a scythe might swing, as now, in
Not a maize-stalk dangle, as now, its silken tassels in peace.)

Under Thee only they harvest--even but a wisp of hay, under thy great
face, only;
Harvest the wheat of Ohio, Illinois, Wisconsin--every barbed spear,
under thee; 130
Harvest the maize of Missouri, Kentucky, Tennessee--each ear in its
light-green sheath,
Gather the hay to its myriad mows, in the odorous, tranquil barns,
Oats to their bins--the white potato, the buckwheat of Michigan, to
Gather the cotton in Mississippi or Alabama--dig and hoard the
golden, the sweet potato of Georgia and the Carolinas,
Clip the wool of California or Pennsylvania,
Cut the flax in the Middle States, or hemp, or tobacco in the
Pick the pea and the bean, or pull apples from the trees, or bunches
of grapes from the vines,
Or aught that ripens in all These States, or North or South,
Under the beaming sun, and under Thee.

Monday, May 30, 2005

FITEI 2005

Arranca amanhã, dia 31, a 28ª edição do FITEI. O mais antigo festival de teatro realizado em Portugal acolhe na inauguração da versão 2005, "Berenice", de Racine, proposta do D. Maria II de Lisboa, traduzida por Vasco Graça Moura, com música de Mário Laginha e a actriz Beatriz Batarda em destaque. Seguem-se 16 espectáculos em 13 dias. Conversei hoje com Mário Moutinho e, sinceramente, considero a programação bastante mais equilibrada do que a 2004, onde as peças brasileiras dominaram todo o certame. Apesar de todos os problemas orçamentais, ligados, inevitavelmente, a mais do que reportada crise do IA, com empréstimos bancários pelo meio, fica a chamada de atenção para a abertura de um festival que merece atenção da crítica e essencialmente presença do público.

Thursday, May 26, 2005

"Pessoas Como Nós", Margarida Rebelo Pinto

Posted by Hello

"Os homens nem sempre avançam, nem sempre atacam. Alguns preferem esperar, deixar que o tempo lhes traga o que mais precisam, para nunca terem de tomar decisões. O Fred é assim, como um lobo, e os lobos preferem morrer de fome a cometer um erro. Ele nunca dará um passo em frente."

Wednesday, May 25, 2005

Como tornar-se num escritor de sucesso sem ter lido um livro em toda a sua vida - parte 1

Inspirado na abertura das feiras no livro de Lisboa e Porto.
Escolha com precisão cirúrgica um público alvo. Esqueça-se de si. Coloque-se sempre sempre leitor em primeiro lugar. Exemplo: se decidir tornar-se num escritor urbano-realista, com olhos colocados no público feminino, siga o magnífico e bem sucedido exemplo de Margarida Rebelo Pinto e coloque imediatamente de lado palavras com mais de quatro ou cinco sílabas. Simplifique. Se lhe faltar inspiração, corra para a cabeleireira mais perto de si e permaneça atento às conversas da clientela ou siga para uma loja de decoração de interiores e preste atenção aos dramas familiares da classe média com aspirações a alta. Não tenha medo nem pudor, leve um bloco de notas consigo. Não confie na sua memória. Defina os personagens de forma o mais estereotipada possível. Figuras planas, com o mínimo de densidade psicológica possível. Exemplo: Mulher atraente, loira de 38 anos, licenciada em recursos humanos, vive com engelheiro informático que trabalha para uma empresa de telecomunicações. Subitamente, encontra no ginásio um chefe do departamento de marketing de uma multinacional de produtos de beleza que teima em convidá-la para uma sessão fotográfica para o próximo catálogo Primavera/Verão, pois não acredita que nossa heroína não seja ou tenha sido uma modelo. Entre dentro da mente desta fantástica mal aproveitada mulher. Defenda com unhas e dentes o seu dilema, se necessário for coloque suspeitas sobre o marido que poderá muito bem ter uma ou duas amantes. Crie mistério. Nunca que esqueça de descrever com pormenor corpos, rostos e cheiros dos personagens.

Tuesday, May 24, 2005

Gorillaz: o regresso da macacada

Posted by Hello

Dias do demónio chegam numa renovação hip-pop que promete novos rumos para a MTV. Os N.E.R.D. que se cuidem, os macacos estão mesmo de volta e reclamam para si um território que lhe pertence por direito próprio. É a lei da selva audiovisual, as vitimas serão inevitavemente sacrificadas nos novos altares do cabo. A cores do imaginário colectivo do público 3G jogam a favor dos Gorillaz, as "playlists" vão na mesma onda e seguem dentro de momentos. O reino da virtualidade digital triunfa em toda a sua extensão e profunidade.

Thursday, May 19, 2005

A asfixia do futebol no circo mediático

foto: Amit Gupta/Reuters Posted by Hello

Sinceramente gosto de futebol, apesar de apreciar outros desportos que me parecem bem mais exigentes e competitivos a nível técnico e táctico. Lamento a derrota de ontem do Sporting, no entanto, mais lamentável ainda é o tempo de antena dado pela RTP1 ao fenómeno desportivo, em geral, e à final da taça UEFA, em particular. O delírio audiovisual do canal de serviço público transformado em desfile de banalidades ocupou praticamente dois dias de emissão. Desde entrevistas à vendedora de gelados à porta do estádio até opiniões técnicas do jardineiro do Alvalade sobre as condições do relvado, aos especialistas de bancada, os jornalistas fizeram das tripas coração para fazer passar um tempo manifestamente superior à importância e efemeridade do encontro "per si". A ideia difundida pelos média, de que não há vida para além da bola, encontra em mim um adversário. Lamento a febre não desportiva, pois como é sabido temos campeões olímpicos a varrerem escadas, mas futebolística. Parece que como povo temos sempre de gostar um pouco mais de futebol. As depressões colectivas são naturalmente uma consequência e um resultado mais do que natural. Fica a fotografia para elevar o espírito e procurar novas formas de vida, na minha opinião bem mais belas e inteligentes.

Wednesday, May 18, 2005

A Cradle Song - William Blake

foto by Lisa Nola Posted by Hello

Sweet dreams form a shade,
O'er my lovely infants head.
Sweet dreams of pleasant streams,
By happy silent moony beams

Sweet sleep with soft down.
Weave thy brows an infant crown.
Sweet sleep Angel mild,
Hover o'er my happy child.

Sweet smiles in the night,
Hover over my delight.
Sweet smiles Mothers smiles,
All the livelong night beguiles.

Sweet moans, dovelike sighs,
Chase not slumber from thy eyes,
Sweet moans, sweeter smiles,
All the dovelike moans beguiles.

Sleep sleep happy child,
All creation slept and smil'd.
Sleep sleep, happy sleep.
While o'er thee thy mother weep

Sweet babe in thy face,
Holy image I can trace.
Sweet babe once like thee.
Thy maker lay and wept for me

Wept for me for thee for all,
When he was an infant small.
Thou his image ever see.
Heavenly face that smiles on thee,

Smiles on thee on me on all,
Who became an infant small,
Infant smiles are His own smiles,
Heaven & earth to peace beguiles.

Tuesday, May 17, 2005

"As Boas Raparigas" vendem espólio

Mais uma companhia teatral do Porto à beira da falência. "As Boas Raparigas" reservaram o dia de hoje, no qual deveriam estrear "A Lei de Sócrates", sobre textos de Platão, para uma venda de garagem. É a luta pela sobrevivência. Com apoios do IA congelados e com os bancos a negarem empréstimos, a companhia não tem dinheiro para pagar a renda no próximo mês. Conversei com Maria do Céu Ribeiro sobre o futuro das "Boas Raparigas". O cenário mais do que incerto permanece cada vez mais sombrio.

Monday, May 16, 2005

FITEI pede crédito bancário para sobreviver

O mais antigo festival de teatro realizado em território nacional, o FITEI só se realiza este ano por que a organização do evento pediu crédito bancário no valor de 130 mil euros. O apoio de 165 mil (82.5% do orçamento total) resultante do concurso do Instituto das Artes e os 25 mil da Câmara Municipal do Porto ainda não entraram nos cofres do Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica. A versão 2005 arranca dia 31, no TNSJ, e termina a 12 de Junho, no Rivoli, do Porto, naturalmente. Vários espectáculos, como "D. Quichotte", dos franceses Plasticiens Volants, tiveram mesmo de ficar na gaveta.

The Nevermet Ensemble: "Quarto Escuro"

Posted by Hello

Os músicos nunca se encontraram até o disco estar completamente gravado. Nem sequer se conheciam. Para a formação do Nevermet Ensemble foram disparados convites «às escuras» pela Internet, respondidos com envelopes recheados de sons vindos de desconhecidos da Bélgica, de Espanha, Estados Unidos, França, Itália, e do Japão, para serem misturados num pequeno quarto algures em Lisboa. Conferir em www.rudimentol.com/nevermet.html

A Better Resurrection - Sylvia Plath

Posted by Hello

I have no wit, I have no words, no tears;
My heart within me like a stone
Is numbed too much for hopes or fears;
Look right, look left, I dwell alone;
A lift mine eyes, but dimmed with grief
No everlasting hills I see;
My life is like the falling leaf;
O Jesus, quicken me.

Saturday, May 14, 2005

O requiem das companhias teatrais do Porto

É uma morte lenta e há muito anunciada. Há vários meses, através de repetidos "posts" tenho vindo a alertar para o desespero em que se encontram grande parte das estruturais teatrais da cidade do Porto e lançado algumas reflexões sobre a eterna problemática da subsídio-dependência. Agora parece que de repente estalou o verniz e a pedra finalmente atingiu o charco. Com a associação cultural Panmixia a congelar a já cinco meses atrasada atribuição dos subsídios do IA através de uma autista providência cautelar, que a única coisa que serve é para adiar ainda mais a concretização dos referidos apoios, várias companhias da cidade estão em já a vender roupas e cenário para sobreviver, enquanto outras, para além de se limitarem a encenar monólogos, olham para uma suspensão de actividades como algo praticamente inevitável. Ontem a Plateia veio de Lisboa com uma boa notícia. O Ministério da Cultura comprometeu-se a pagar os apoios ou parte deles imediatamente depois da decisão do Tribunal Administrativo sobre a dita providência cautelar, que enquanto não for indeferia mantém em suspenso o concurso do IA e os cofres das companhias vazios. Falei com vários responsáveis pelo teatro no Porto e o desespero é quase total. Acaba por ser patético o MC afirmar que os fundos estão prontos com cinco meses de atraso e não deixa de ser ainda mais lamentável que uma companhia que ficou de fora dos concursos acabe por prejudicar as restantes 20. Na realidade, como já tinha comentado, num país onde o Orçamento de Estado para a cultura se reduz a apenas 0,6 por cento, tentar subsídiar a criação artística é como tentar cobrir um elefante com um lenço de papel. É verdade que no Porto, provavelmente existe uma inflação de companhias teatrais, mas, no entanto, o norte do país tem de receber, tendo em conta o sua densidade populacional, um valor que se aproxime da média nacional. Este ano ficou muito abaixo do que seria moral e estatisticamente recomendável. Sei, no entanto, que o alguns responsáveis do MC estão a pensar em alterar as regras dos concursos. Na realidade, o problema está na dimensão do bolo. Mudam-se as regras, de pouco vai adiantar, todos os anos alguném tem de ficar de fora e as migalhas a distribuir continuam a ser o que são migalhas. Sem querer ser populista, acredito que necessitamos de mais cultura e menos submarinos, mais choques artísticos do que tecnológicos.

Friday, May 13, 2005

"Espelho Mágico" de Manoel de Oliveira

Terminaram ontem no Porto as filmagens com actores do mais recente trabalho cinematográfico de Manoel de Oliveira. Tive a oportunidade de apanhar as últimas rodagens em território nacional, conversar com o realizador e com alguns elementos do elenco e equipe técnica. "Espelho Mágico" é a adaptação de "A Alma dos Ricos", segundo capítulo da triologia de Agustina Bessa-Luís iniciada com "O Princípio da Incerteza". Tratado dentro e fora do plateau como o Mestre, Oliveira filma como um artesão. A trabalhar pela primeira vez com Manuel Cadilhe, da Filbox, que assim sucede a Paulo Branco, com quem Oliveira colaborou desde "Francisca" (1981) a "O Quinto Império: Ontem como Hoje" (2004), o decano dos realizadores portugueses revela-se mais activo que nunca, confessando-se a correr contra o tempo. Obedecendo e reinterpretando a obra original, Oliveira recupera o essencial da narrativa de "Alma dos Ricos". Já com José Luciano fora da prisão, a filme gira em torno do desejo da abastada Alfreda em experienciar uma aparição da Virgem Maria. O ex-recluso, filho da governanta da casa terá de entrar em contacto com toda extensão e profundidade dos delírios, vícios e desesperos que habitam a alma dos ricos. Ricardo Trepa (neto do realizador), Leonor Baldaque, Leonor Silveira, Isabel Ruth formalizam parte do elenco. Estreia mundial está agendada para Setembro no Festival de Veneza. O público português terá a oportunidade de ver os primeiros reflexos do "Espelho Márgico" em Outubro/Novembro, via Lusomundo. Cinema de qualidade internacional feito em Portugal com 1.7 milhões de euros. Nos EUA, "Constantine" custou 350 milhões e daqui a dois anos já ninguém se lembra do título. A obra de Oliveira, essa fica bem para além do imediato e dos sucessos de bilheteira. Há quem adormeça a ver "Vale Abraão", mas há quem adormeça a fazer amor.

Thursday, May 12, 2005

Nine Inch Nails: With Teeth

Posted by Hello

O regresso à dentada de um génio. Trent Reznor "is back" "With Teeth". Finalmente um álbum que vale mesmo a pena comprar. Seis anos depois do duplo "Fragile" vale a pena morder a mão que nos alimenta, apesar de fenómenos como Marilyn Manson ou Ministry terem conquistado terreno no metal, o rock ainda vive com peso e perfeição industrial. "All the Love in the World", "The Hand That Feed", "Love Is Not Enough" e "Only" são apenas alguns temas em destaque. "With Teeth" dos Nine Inch Nails é um dos álbuns a ter em atenção este ano.

Wednesday, May 11, 2005

Cannes 05 versão "deluxe"

"Manderlay", Lars Von Trier Posted by Hello

Após um 2004 francamente pobre, o maior festival de cinema do mundo abre hoje as portas com uma colheita de luxo. A competirem pela Palma de Ouro estão na pole position pesos pesados, vencedores de outras edições, como Gus Van Sant (Last Days), Lars Von Trier (Manderlay), David Cronenberg (A History of Violence) ou Wim Wenders (Don´t Come Knocking). O presidente do júri é outro winner Emir Kusturica. O certame termina dia 22.

O alívio de Ivo Ferreira

Final feliz para um história que poderia ter consequências mais do que dramáticas. Ivo Ferreira foi libertado ontem da prisão no Dubai. Logo que soube da libertação fiquei sinceramente aliviado. Na mente tinha desde que soube da prisão, imagens da película "Expresso da Meia-Noite", de Alan Parker. Fiquei contente com a libertação do realizador, com quem já tinha conversado à distância sobre cinema e outras paisagnes audiovisuais. Entretanto, hoje no Jornal da 1, Espantei-me com a pergunta "em directo" do jornalista da RTP, a interromper uma conferência de imprensa (note-se a delicadeza dos profissionais da televisão perante os restantes colegas de profissão) para perguntar ao jovem realizador e ao pai, "como é que se sentem". Fez-me lembrar as reportagens de futebol no final de qualquer partida, quando dos jornalistas e aproximarem-se do jogador que marcou o golo e a perguntarem como é que se sentem. Efeito do entretenimento BB ao serviço da informação. É o triunfo do sentimento, da emoção, no audioviusal de serviço público. Dizia-me um colega que uma lágrima bem escorregadia vale muito mais do que uma ideia consistente.

Tuesday, May 10, 2005

Allen Ginsberg - Howl

Posted by Hello

I saw the best minds of my generation destroyed by madness, starving hysterical naked,
dragging themselves through the negro streets at dawn looking for an angry fix,
angelheaded hipsters burning for the ancient heavenly connection to the starry dynamo in the machinery of night,
who poverty and tatters and hollow-eyed and high sat up smoking in the supernatural darkness of cold-water flats
floating across the tops of cities contemplating jazz,
who bared their brains to Heaven under the El and saw Mohammedan angels staggering on tenement roofs
who passed through universities with radiant cool eyes hallucinating Arkansas and Blake-light tragedy among the
scholars of war,
who were expelled from the academies for crazy & publishing obscene odes on the windows of the skull,
who cowered in unshaven rooms in underwear, burning their money in wastebaskets and listening to the Terror
through the wall,
who got busted in their pubic beards returning through Laredo with a belt of marijuana for New York,
who ate fire in paint hotels or drank turpentine in Paradise Alley, death, or purgatoried their torsos night after night
with dreams, with drugs, with waking nightmares, alcohol and cock and endless balls,
incomparable blind; streets of shuddering cloud and lightning in the mind leaping toward poles of Canada &
Paterson, illuminating all the motionless world of Time between,
Peyote solidities of halls, backyard green tree cemetery dawns, wine drunkenness over the rooftops, storefront
boroughs of teahead joyride neon blinking traffic light, sun and moon and tree vibrations in the roaring winter dusks
of Brooklyn, ashcan rantings and kind king light of mind,
who chained themselves to subways for the endless ride from Battery to holy Bronx on benzedrine until the noise of
wheels and children brought them down shuddering mouth-wracked and battered bleak of brain all drained of
brilliance in the drear light of Zoo,
who sank all night in submarine light of Bickford's floated out and sat through the stale beer after noon in desolate
Fugazzi's, listening to the crack of doom on the hydrogen jukebox,
who talked continuously seventy hours from park to pad to bar to Bellevue to museum to the Brooklyn Bridge,
lost battalion of platonic conversationalists jumping down the stoops off fire escapes off windowsills off Empire State
out of the moon,
yacketayakking screaming vomiting whispering facts and memories and anecdotes and eyeball kicks and shocks of
hospitals and jails and wars,
whole intellects disgorged in total recall for seven days and nights with brilliant eyes, meat for the Synagogue cast on
the pavement,
who vanished into nowhere Zen New Jersey leaving a trail of ambiguous picture postcards of Atlantic City Hall,
suffering Eastern sweats and Tangerian bone-grind- ings and migraines of China under junk-with- drawal in
Newark's bleak furnished room,
who wandered around and around at midnight in the railroad yard wondering where to go, and went, leaving no
broken hearts,
who lit cigarettes in boxcars boxcars boxcars racketing through snow toward lonesome farms in grand- father night,
who studied Plotinus Poe St. John of the Cross telep- athy and bop kabbalah because the cosmos in- stinctively
vibrated at their feet in Kansas,
who loned it through the streets of Idaho seeking vis- ionary indian angels who were visionary indian angels,
who thought they were only mad when Baltimore gleamed in supernatural ecstasy,
who jumped in limousines with the Chinaman of Okla- homa on the impulse of winter midnight street light smalltown
who lounged hungry and lonesome through Houston seeking jazz or sex or soup, and followed the brilliant Spaniard
to converse about America and Eternity, a hopeless task, and so took ship to Africa,
who disappeared into the volcanoes of Mexico leaving behind nothing but the shadow of dungarees and the lava and
ash of poetry scattered in fire place Chicago,
who reappeared on the West Coast investigating the F.B.I. in beards and shorts with big pacifist eyes sexy in their
dark skin passing out incom- prehensible leaflets,
who burned cigarette holes in their arms protesting the narcotic tobacco haze of Capitalism,
who distributed Supercommunist pamphlets in Union Square weeping and undressing while the sirens of Los Alamos
wailed them down, and wailed down Wall, and the Staten Island ferry also wailed,
who broke down crying in white gymnasiums naked and trembling before the machinery of other skeletons,
who bit detectives in the neck and shrieked with delight in policecars for committing no crime but their own wild
cooking pederasty and intoxication,
who howled on their knees in the subway and were dragged off the roof waving genitals and manu- scripts,
who let themselves be fucked in the ass by saintly motorcyclists, and screamed with joy,
who blew and were blown by those human seraphim, the sailors, caresses of Atlantic and Caribbean love,
who balled in the morning in the evenings in rose gardens and the grass of public parks and cemeteries scattering
their semen freely to whomever come who may,
who hiccuped endlessly trying to giggle but wound up with a sob behind a partition in a Turkish Bath when the blond
& naked angel came to pierce them with a sword,
who lost their loveboys to the three old shrews of fate the one eyed shrew of the heterosexual dollar the one eyed
shrew that winks out of the womb and the one eyed shrew that does nothing but sit on her ass and snip the intellectual
golden threads of the craftsman's loom,
who copulated ecstatic and insatiate with a bottle of beer a sweetheart a package of cigarettes a can- dle and fell off
the bed, and continued along the floor and down the hall and ended fainting on the wall with a vision of ultimate cunt
and come eluding the last gyzym of consciousness,
who sweetened the snatches of a million girls trembling in the sunset, and were red eyed in the morning but prepared
to sweeten the snatch of the sun rise, flashing buttocks under barns and naked in the lake,
who went out whoring through Colorado in myriad stolen night-cars, N.C., secret hero of these poems, cocksman and
Adonis of Denver-joy to the memory of his innumerable lays of girls in empty lots & diner backyards, moviehouses'
rickety rows, on mountaintops in caves or with gaunt waitresses in familiar roadside lonely pet- ticoat upliftings &
especially secret gas-station solipsisms of johns, & hometown alleys too,
who faded out in vast sordid movies, were shifted in dreams, woke on a sudden Manhattan, and picked themselves up
out of basements hung over with heartless Tokay and horrors of Third Avenue iron dreams & stumbled to unemploy-
ment offices,
who walked all night with their shoes full of blood on the snowbank docks waiting for a door in the East River to open
to a room full of steamheat and opium,
who created great suicidal dramas on the apartment cliff-banks of the Hudson under the wartime blue floodlight of
the moon & their heads shall be crowned with laurel in oblivion,
who ate the lamb stew of the imagination or digested the crab at the muddy bottom of the rivers of Bowery,
who wept at the romance of the streets with their pushcarts full of onions and bad music,
who sat in boxes breathing in the darkness under the bridge, and rose up to build harpsichords in their lofts,
who coughed on the sixth floor of Harlem crowned with flame under the tubercular sky surrounded by orange crates
of theology,
who scribbled all night rocking and rolling over lofty incantations which in the yellow morning were stanzas of
who cooked rotten animals lung heart feet tail borsht & tortillas dreaming of the pure vegetable kingdom,
who plunged themselves under meat trucks looking for an egg,
who threw their watches off the roof to cast their ballot for Eternity outside of Time, & alarm clocks fell on their
heads every day for the next decade,
who cut their wrists three times successively unsuccess- fully, gave up and were forced to open antique stores where
they thought they were growing old and cried,
who were burned alive in their innocent flannel suits on Madison Avenue amid blasts of leaden verse & the tanked-up
clatter of the iron regiments of fashion & the nitroglycerine shrieks of the fairies of advertising & the mustard gas of
sinis- ter intelligent editors, or were run down by the drunken taxicabs of Absolute Reality,
who jumped off the Brooklyn Bridge this actually hap- pened and walked away unknown and forgotten into the
ghostly daze of Chinatown soup alley ways & firetrucks, not even one free beer,
who sang out of their windows in despair, fell out of the subway window, jumped in the filthy Pas- saic, leaped on
negroes, cried all over the street, danced on broken wineglasses barefoot smashed phonograph records of nostalgic
European 1930s German jazz finished the whiskey and threw up groaning into the bloody toilet, moans in their ears
and the blast of colossal steam whistles,
who barreled down the highways of the past journeying to each other's hotrod-Golgotha jail-solitude watch or
Birmingham jazz incarnation,
who drove crosscountry seventytwo hours to find out if I had a vision or you had a vision or he had a vision to find
out Eternity,
who journeyed to Denver, who died in Denver, who came back to Denver & waited in vain, who watched over Denver
& brooded & loned in Denver and finally went away to find out the Time, & now Denver is lonesome for her heroes,
who fell on their knees in hopeless cathedrals praying for each other's salvation and light and breasts, until the soul
illuminated its hair for a second,
who crashed through their minds in jail waiting for impossible criminals with golden heads and the charm of reality in
their hearts who sang sweet blues to Alcatraz,
who retired to Mexico to cultivate a habit, or Rocky Mount to tender Buddha or Tangiers to boys or Southern Pacific
to the black locomotive or Harvard to Narcissus to Woodlawn to the daisychain or grave,
who demanded sanity trials accusing the radio of hyp notism & were left with their insanity & their hands & a hung
who threw potato salad at CCNY lecturers on Dadaism and subsequently presented themselves on the granite steps of
the madhouse with shaven heads and harlequin speech of suicide, demanding in- stantaneous lobotomy,
and who were given instead the concrete void of insulin Metrazol electricity hydrotherapy psycho- therapy
occupational therapy pingpong & amnesia,
who in humorless protest overturned only one symbolic pingpong table, resting briefly in catatonia,
returning years later truly bald except for a wig of blood, and tears and fingers, to the visible mad man doom of the
wards of the madtowns of the East,
Pilgrim State's Rockland's and Greystone's foetid halls, bickering with the echoes of the soul, rock- ing and rolling in
the midnight solitude-bench dolmen-realms of love, dream of life a night- mare, bodies turned to stone as heavy as the
with mother finally ******, and the last fantastic book flung out of the tenement window, and the last door closed at
4. A.M. and the last telephone slammed at the wall in reply and the last fur- nished room emptied down to the last
piece of mental furniture, a yellow paper rose twisted on a wire hanger in the closet, and even that imaginary, nothing
but a hopeful little bit of hallucination
ah, Carl, while you are not safe I am not safe, and now you're really in the total animal soup of time
and who therefore ran through the icy streets obsessed with a sudden flash of the alchemy of the use of the ellipse the
catalog the meter & the vibrat- ing plane,
who dreamt and made incarnate gaps in Time & Space through images juxtaposed, and trapped the archangel of the
soul between 2 visual images and joined the elemental verbs and set the noun and dash of consciousness together
jumping with sensation of Pater Omnipotens Aeterna Deus
to recreate the syntax and measure of poor human prose and stand before you speechless and intel- ligent and shaking
with shame, rejected yet con- fessing out the soul to conform to the rhythm of thought in his naked and endless head,
the madman bum and angel beat in Time, unknown, yet putting down here what might be left to say in time come
after death,
and rose reincarnate in the ghostly clothes of jazz in the goldhorn shadow of the band and blew the suffering of
America's naked mind for love into an eli eli lamma lamma sabacthani saxophone cry that shivered the cities down to
the last radio
with the absolute heart of the poem of life butchered out of their own bodies good to eat a thousand years.

Monday, May 09, 2005

"The Last Days", de Gus Van Sant

Posted by Hello

Uma das estreias desta semana no Festival de Cannes. Filme que aguardo com enorme expectativa, pois para além de ser um admirador das atmosferas "grunge" e do respectivo legado cultural e simbólico dos Nirvana, considero "Elephant" uma obra-prima. Com o crescente anti-americanismo europeu, nunca é demais relembrar que EUA são muito mais do que Bush, têm uma desconcertante e criativa área semi/independente de produção artística e cultural. Espero que a película chegue a Portugal ainda este verão.

Posted by Hello

Load up on guns and bring your friends
It's fun to lose and to pretend
She's over bored and self assured
Oh no, I know a dirty word

Nirvana.Smells Like Teen Spirit.Nevermind

Blind Zero: "The Night Before and a New Day"

Editado hoje novo registo dos Blind Zero, "The Night Before and a New Day". Provavelmente o melhor disco da banda. Arriscado pela forma como explora várias texturas rock, do stone ao indie, mas coerente e recheado de melodias simplesmente brilhantes. Após "Shine On" cujo vídeo-clip promete fazer estragos, "Day 1" afirma-se como uma das músicas mais inspiradas do colectivo. Ideias chave de uma conversa com Miguel Guedes e Vasco sobre o álbum, registe-se o conceito de ciclo, de intemporalidade e impermanência, não só no alinhamento dos temas, como também na parte gráfica. Registo bem mais optimista que o anterior, o quinto álbum de originais dos BZ é um dos disco a ter em conta este ano. De esperar muitos e bons concertos.

Sunday, May 08, 2005

Pharrell desmente morte do N.E.R.D.

Os N.E.R.D. continuam juntos até prova do contrário. Com o rumor de que o concerto de ontem à noite, no TMN 24 horas, poderia muito bem ser o último na vida do colectivo, Pharrell rapidamente se encarregou de tranquilizar os espiritos dos adolescentes mais angustiados que temiam assistir a um harakiri no palco do Dragão. "Ainda estamos juntos e nunca nos vamos separar", afirmou Pharrell, confirmando-se, ao vivo e a cores, como um génio do marketing. Hora e meia antes, Gabriel, o Pensador, mostrou que continua a raciocinar transatlanticamente e ganhar no verbo o que perde na melodia. No entanto, "Resto do Mundo" mantém-se como uma das letras "rap" mais inspiradas da lingua portuguesa. Após 24 horas sem dormir, festejados os 5 milhões de clientes pela telefónica móvel e a vitória do Penafiel sobre o Benfica, o Dragão pode finalmente descansar em paz e sonhar com outros triunfos. De regresso a última das 24 horas, os N.E.R.D. conseguiram encerrar da melhor forma possível um evento francamente pobre, atraindo uma multidão compacta de adolescentes, que esperavam ansiosamente por ver ao vivo Pharrell Williams. Mais recente ícone da cultura MTV, produtor neptuniano e homem sombra fabricante de "blockbuster" para quase todas as estrelas mais brilhantes do teleuniverso por cabo, de Jay-Z e Buster Rhymes, no rap, Usher e Babyface, no R&B, passando por Britney Spears e Justin Timberlake, na pop, e No Doub, no rock, Pharrell confirmou, ontem no Dragão, ser um génio na arte da ilusão. Depois de cancelar a assinatura para a ressurreição dos N.E.R.D. anunciada ao mundo, em alto e bom som, nos microfones da BBC Radio 1, o compositor soube controlar o primeiro ao último minuto uma legião de fãs, hiponizando toda a geração DVD. Um dos 50 mais cobiçados solteirões o mundo, segundo a People, considerou Portugal como o pais mais sexy do mundo, pediu palmas, telemóveis na mão, ordenou que as pessoas lá do fundo se aproximassem, descem para comprimentar o público. Houve gritos, milhares de fotografias 3D e outros tantos corações partidos. Aos 31 anos, o norte-americano canta em "Fly or Die", das más notas na escola, dos castigos da mamã e do papá que o vão probidir de jogar playstation. Os maiores consumidores de discos, entre os 12 e 16 anos, compreendem os dramas do trintão, choram de emoção em "Maybe" e saltam em "Jump". O produtor do séc.XXI que usou groove/funk para empurrar o rap em direcção ao pop, considerado pela Esquire como um dos homens com mais estilo do mundo, ainda tem muito para ensinar no planeta do entertenimento.

Sobreviver 24 horas TMN no Dragão

Cultura pop das 24 horas TMN no Porto começou com o vocalista do Reamonn a dizer que trouxe os pais até Portugal, por que adora o nosso país, tem miúdas muito giras, e terminou com Pharrell Williams a jurar que os N.E.R.D. afinal não tencionam acabar tão cedo, afastando assim os rumores de um arakiri colectivo no Dragão, um génio do ilusionismo. Pelo meio houve Xutos, revisitação de uma Queima do outro lado da cidade, e uma série de bandas à moda do Porto fracamente interessantes mas, fora das horas de consumo obrigatório. Destaque para MESA que em Setembro vão explodir na cara de toda a gente com "Vitamina" um álbum que se prepara que conquistar o audiovisual português de forma superlativa ("Em Garde" um dos temas a ter em atenção) e os Blind Zero, que amanhã editam novo trabalho, e que tem em "Shine On" e "Day 1" dois singles para históricos. Gostei do espectáculos dos X-Wife Às 07h00 perante uma plateia alucinada, com punks vestidos com t-shirts de Gomo e outros zappings interculturais. Apesar de ousado, o projecto 24horas acabou por sair mal da história, queimado pela queima e por um cartaz "teen", público que ainda não tem idade para grandes noitadas. Proposta de encerramento publicitário teve o Pharrell o artista maior, um mestre do marketing que arrebatou crianças dos 8 aos 15 anos. Para ouvir e chorar por nunca mais.

Friday, May 06, 2005

Febre de sexta à noite ou venha o diabo e escolha

Laurie Anderson abre logo à noite o Festival Codex no TNSJ. à mesma hora Tony Carreira inaugura o Festival de Música da Maia. Os The Gift estão na Queima do Porto. Xutos aquecem o TMN 24horas. Julio Iglesias arranca a 36ª digressão europeia no Casino de Espinho a 250 euros por pessoa. GNR dão pontapé de saída as Festas do Senhor de Matosinhos. E eu estou indeciso entre conhecer a companheira de Lou Reed, escutar o "vagabundo por amor" ou deixar-me seduzir pelo o autor de "Divórcio". Se calhar vou mas é ao Dragão. razões de ordem arquitectónica. imperativos estéticos. curiosidade pop.

Thursday, May 05, 2005

Cine-doc de "Shine On" dos Blind Zero

a propósito do post-coment na via, reafirmo e justifico a "hype" em torno da proposta televisual "Shine On", vídeo-clip-single, dos Blind Zero. Há poucos dias, depois de uma conversa com o colectivo, o Vasco teve a gentileza de me mostrar o esboço da proposta. Fiquei no mínimo alucinado. Narrativa marcadamente documental, reporta a uma história verdadeira de insanidade no feminino, nos EUA. Narrador em "on" durante mais de quatro minutos. Proposta coloca o tema em segundo plano, transformando a música numa espécie de banda-sonora de um "shortdoc". Arrojado, arriscado e pertinente como o próprio álbum, sobre o qual em breve deixarei a minha leitura, devidamente contextualizada com soundbits da banda...

Wednesday, May 04, 2005

O triunfo da ruralidade

Ontem à noite, na Queima do Porto, uma amigo alucinado confessou-me que tinha vendido o bilhete dos U2 para poder estar ali a ouvir Quim Barreiros. Facilmente se compreende o fenómeno no Portugal contemporâneo, mais de 30 anos de carreira, a tirar carros da garagem e a servir bacalhau à portuguesa. Provavelmente se Salazar não tivesse existido, e Portugal tivesse sentido, mesmo ao de leve, a vaga industrial dos anos 40/50 a ruralidade não se teria perpetuado em fenómenos como Quim Barreiros ou na música pimba. Por outro lado, convém relembrar que muitos dos universitários do Porto são migrantes precisamente de zonas rurais, onde os bailes da aldeia, aos 13/14 anos, eram, e ainda continuam a ser, celebrações de emancipação, de passagem, onde se bebe e "namora", muitas vezes pela primeira vez.

Noites da Queima do Porto

As coisas estão a correr bem aqui para os lados a Invicta. Muita malta na Queima e, apesar dos cartaz ser sempre muito limitado, a funcionalidade das propostas musicais tem conduzido a noite animadas e com muita malta. Clã e MESA provaram mais uma vez serem duas das melhores bandas pop da actualidade. A primeira ainda alimentada com o excelente Rosa Carne, um dos discos do ano 04, e o colectivo do Porto, no dia seguinte, afirmou-se mais uma vez como um dos mais criativos do momento, deixando boas indicações para o próximo álbum, "Vitamina", a editar em Setembro. Entretanto, ontem, Quim Barreiros meteu carros na garagem e serviu bacalhau à portuguesa, enquanto Ágata confessou ser uma mãe solteira, mulher apaixonada e ciumenta. A malta dançou e chorou por mais... Estudantes alucinados deambularam pelo Queimódromo até perto da cinco da manhã... É uma das maiores do país, seguem-se ainda propostas interessantes, Primitive, The Gift e Blasted.

Tuesday, May 03, 2005

Toranja: "Segundo"

Mais maduros e ácidos, os Toranja regressaram com "Segundo". Dois anos volvidos sobre "Esquissos" e um sobre a intensa e frutífera digressão nacional, os Toranja regressam ontem às edições discográficas com o excelente "Segundo". Mais maduro, eléctrico e ácido, o "Segundo" registo da banda abre novos caminhos sonoros rumo a uma identidade cada vez mais definida, situada algures entre a renovação da metáfora pop, colhida com entusiasmo pela geração digital, que ainda não teve tempo para entrar no "Bairro do Amor", e uma mais do que feliz incursão pelo território da loucura e alucinação "acid-rock" com algunas inteligentes cicatrizes da "indie" nova-iorquina pós-Woodstock. Conversei com Dodi, baixista, de outro lado da linha. "Mais eléctrico? Sim, sem dúvida. Acho que este disco é de extremos. Falamos de emoção, mas de forma mais directa, sem tantas metáforas", afirma. Colocando de lado as composições "single", temas como "Outro Mundo", "Ensaio" e "Tempos Adversos" representam um passo em frente na procura de novos territórios do pop/rock. "Segundo" é a confirmação do talento oculto em "Esquissos" e antecipado na digressão 04. Temas como "Nada" revelaram um talento e uma orgânica insuspeitas em palcos em pouco por todo o país. "Sangue Que Ficou" apresentado ao "vivo" em formato acústico, simboliza esse amadurecimento "live", numa viagem paranóica a mão perder. "Segundo" é um dos registos a ter em atenção este ano. Destinado à platina, single ou dupla, o LP eleva a qualidade dos Toranja a um patamar de exigência e qualidade superiores, sem, no entanto, desencantar o público adolescente com baladas consistente em composições tão inteligentes como "Laços". Espera-se que a banda, centrada nas letras e no carisma de Tiago Bettencourt, sobreviva a si própria, evitando o triste fado dos "Silence 4". A pop nacional sem corantes nem conservantes agradece esta vitamina.