Sunday, July 24, 2005

Bonojour

Depois de uma semana plena de entrevistas chatas, entre belezas americanas de jazz/botox e hip-hop barrista com sotaque do Porto... fim-de-semana de coma, reservado à digestão de "Bono por Bono". Livro-entrevista de Assayas. Enquanto não chega a Nobel da Paz, trabalho forçado de arquelogia pop dos últimos 20 anos para consumo de fãs "harcore", com poucas revelações pelo caminho. Postura diplomática, estética "cool" de Bono ganham terreno à estrela rock que em página alguma chega a tirar os óculos D&G. Fixada a imagem de activista e católico, o registo afirma-se como um exercício paparazzi onde entrevistador e entrevistado ganham o que o leitor perde: uma oportunidade para repensar estruturas pop num contexto de criatividade industrial e ideologias instantâneas.
Após noite de caipirinhas com amigos, transformei a minha sala num aeroporto tipo OTA e consumi o livro de Bono enquanto esperava pelo próximo voo com destino a umas merecidas férias. Mesmo ouvindo "Dismantle" com olhos postos nos anos 80, seguindo receita médica (ac) não consigo evitar um gosto amargo no canto da boca. Mesmo com bilhetes acessíveis e viagens pagas não vou a Alvalade como não fui a Miami. Ainda tenho gravadas no cérebro imagens da ZooTV. Regresso ao Futuro no meu dicionário é um filme do Spielberg.

1 comment:

André Carita said...

Caro Anastácio, aproveito para te informar que criei um novo espaço sobre cinema na qual gostaria que passasses a visitar:

http://cinesphere.blogs.sapo.pt

Um abraço.

André Carita